• ConsultorDigitalMarco

Derrubando Paradigmas e Estereótipos

Concordo plenamente com a OMS quando diz: “É tempo de um paradigma novo, que encare os idosos como participantes ativos em uma sociedade integrada pela idade e como contribuintes ativos bem como beneficiários do desenvolvimento.”

“O objetivo deve ser assegurar padrões de vida adequados para as pessoas durante o envelhecimento, ao mesmo tempo que reconhece e aproveita suas habilidades e experiência e estimula uma transferência harmônica entre as gerações.” OMS

O novo paradigma também desafia o ponto de vista tradicional de que aprender é função apenas de crianças e jovens, trabalho é a função da meia idade enquanto aposentadoria é a função da terceira idade.

O novo paradigma necessita de programas que apoiem a aprendizagem em todas as idades e permitam às pessoas entrar e sair do mercado de trabalho para que possam adotar o papel de acompanhantes em épocas diferentes no curso de suas vidas. Esta abordagem apóia a solidariedade entre as gerações e fornece maior segurança para crianças, seus pais e pessoas idosas.

Os próprios idosos e a mídia devem liderar a construção de uma imagem nova e mais positiva da terceira idade. Reconhecimento político e social das contribuições que os idosos podem oferecer e a inclusão de homens e mulheres idosos em papéis de liderança irão amparar esta nova imagem e ajudar a derrubar estereótipos negativos.

Educar pessoas jovens sobre o envelhecimento e cuidar da manutenção dos direitos das pessoas mais velhas irão ajudar a reduzir e eliminar discriminação e abuso.

Segundo a OMS: Um ambiente capacitador

Uma forma de iluminar a tomada de decisões nesta área é pensar sobre a capacitação ao invés de incapacidade.

O processo de invalidez aumenta as necessidades das pessoas idosas e levam ao isolamento social e à dependência. O processo de capacitação restitui a função e expande a participação de pessoas mais idosas em todos os aspectos da sociedade.

“Como os mais jovens, cidadãos mais velhos necessitam de treinamento em novas tecnologias, especialmente na agricultura e comunicação eletrônica. O aprendizado auto-dirigido, mais prática e ajustes físicos (como o uso de caracteres impressos grandes) podem compensar reduções na acuidade visual, na audição e na memória de curto prazo. Os idosos podem e devem permanecer criativos e flexíveis. O aprendizado entre as gerações faz a ponte entre as diferenças de idade, melhora a transmissão de valores culturais e promove o valor de todas as idades. Estudos demonstraram que jovens que aprendem com idosos possuem atitudes mais positivas e realistas quanto à geração mais velha.”

“A ideia de que todas as pessoas acima de 60 anos são dependentes é, entretanto, falsa. Várias pessoas continuam a trabalhar no mercado de trabalho formal durante a terceira idade ou escolheriam faze-lo se tivessem oportunidade. ”

Também precisamos proteger as organizações que representam os idosos. Fornecer apoio financeiro e em espécie, além do treinamento para os membros dessas organizações para que eles possam defender, promover e intensificar a saúde, a segurança e a participação integral das mulheres e dos homens mais velhos em todos os aspectos da vida comunitária.

#Educação #mudanças #internet #tecnologia #Envelhecimentoativo #debate #participação

0 visualização0 comentário